A CONQUISTA DO ATLÉTICO DE MADRID DE SIMEONE E GRIEZMANN – Análise tática da final da Liga Europa

Por André Andrade e Ícaro Caldas

O Atlético de Madrid encarou o que parecia ser o maior desafio na competição e conseguiu sobreviver a um jogo sem Simeone a beira do campo e também com 10 homens no Emirates onde os heróis da noite foram Griezmann e Oblak, na continuação do confronto a vaga garantida na Espanha contra o Arsenal para a decisão em Lyon vs Olympique de Marseille.

Na final pudemos observar um bom início dos franceses com controle maior da posse, muitas jogadas com Sarr fazendo associações pelo lado direito e Luiz Gustavo sendo importante como zagueiro fazendo a saída de bola.

atl 2

atl 3

Apesar do início melhor dos franceses, o Atletico de Madrid com seu estilo de muita força mental, física, negação de espaços, continuava resistindo as investidas e tentativas de criação de chances de gol , com isso o Atletico também foi melhorando no jogo e aos 21 minutos, Griezmann, principal nome do jogo e da campanha na Uefa Europa League abriu o placar.

atl 4Atlético de Madrid tentando dificultar a saída de jogo e forçar o adversário ao erro, reduzindo os espaços

atl 5

A imagem acima é a foto exata do campo antes do gol de Griezmann, a bola ainda está com Mandanda, desse modo os jogadores do Atleti encaixaram uma pressão perfeita e reparem o posicionamento corporal de Diego Costa, a esquerda do goleiro e correndo pra cima dele, fechando a linha de passe ao jogador , Griezmann acompanha a pressão e tira a opção de passe para o jogador que está mais a direita. Tais movimentos praticamente obrigam o goleiro do time francês a passar pelo meio, entretanto o passe sai mal feito e o Marseille perde a posse de bola na frente da área, passe rápido pra Griezmann que sai cara a cara com o goleiro e faz o gol, sempre preciso nas finalizações.

Cerca de 10 minutos depois, o melhor jogador do Olympique, Dimitri Payet que era dúvida para o jogo devido as condições físicas, teve que sair de campo aos prantos por não conseguir continuar na final. E isso foi um baque imenso, Payet é um meia muito criativo que tem papel importantíssimo nesse time, tendo recuperado sua boa forma nessa temporada.

Com a saída do meia, o time francês sofreu para conseguir controlar a posse de bola de maneira que causasse problemas ao clube espanhol. o meia Ocampos e Florian Thauvin não estiveram nos melhores dias, não receberam a bola em condições que fossem favoráveis para causar desequilíbrios e criar jogadas perigosas muito por conta da compactação e da intensidade do time de Simeone, acostumado com jogos grandes, com intensidade física e mental e uma ideia muito bem definida e consolidada nos últimos anos.

atl 6Compactação e estrutura defensiva bem definidas no Atlético de Simeone

Já no segundo tempo com, Griezmann apareceu novamente,aos 49 minutos o meia começou e terminou uma jogada com muita classe onde os espanhóis conseguiram sair da pressão e marcação feita pelo Olympique na lateral, superando os duelos individuais e tendo um campo amplo pra progredir, visto que a defesa estava sem nenhuma proteção! A movimentação de Diego Costa ajuda a distrair a zaga e puxar a marcação, Luiz Gustavo sai para tentar impedir Koke de prosseguir a jogada, mas o espanhol acha Griezmann exatamente no espaço onde Luiz Gustavo estava, o francês domina, conduz e toca por cima de Mandanda. Jogada com aceleração e exploração de espaços por parte do Atletico de Madri que executou muito bem o plano para o confronto da final. Na jogada do frame abaixo, temos uma igualdade numérica de 4×4, porém Griezmann está em superioridade posicional e recebe de frente pra área e com espaço.Percebam na imagem a baixo:

atl 7

Após o 2o gol o Olympique até tentou algo com a introdução de Mitroglou que entrou e acertou bola na trave, porém o time espanhol continuou resistindo, negando espaço e conseguiu ainda o 3o gol para consolidar de vez o título da competição. Griezmann inicia a jogada com um belo passe pra Diego Costa no espaço, Diego Costa continua a jogada que acaba com o capitão Gabi no fundo das redes. Gol simbólico.

O Atlético de Madrid campeão da Uefa Europa League 17/18 é um time que tem o DNA de Simeone, tem ideias claras de como quer jogar o jogo em todas as suas fases e um comprometimento quase perfeito na execução tática, disciplina , concentração e força mental. É um retrato perfeito do “Cholismo” funcionando a todo vapor, o poder de uma ideia, de um planejamento bem feito, é também a consolidação do talento de Koke e Griezmann, que fizeram uma ótima partida na final e junto com os outros jogadores, asseguraram mais um título europeu ao clube.

atl 8

@pepgenius 

@caldas_icaro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s