VELHOS PROBLEMAS NA FONTE NOVA – Análise tática de Bahia 3 x 0 Vasco pela Copa do Brasil

Por Ricardo Leite

O Vasco vive mais uma noite trágica. Mais um jogo que se torna um pesadelo por algumas razões inexplicáveis, mas muitas justificáveis.

Ainda na pré Libertadores, o Vasco tomou 4 gols. Ricardo Graça foi escolhido o vilão. Após a goleada, Erazo entrou em seu lugar e os gols continuaram a sair. Falhas em bolas aéreas, posicionamento, falhas individuais etc. Com o tempo Werley ganhou a vaga e promoveu uma leve evolução.

Mas hoje, com o intuito de dar liberdade ao Pikachu, Zé deslocou Werley para lateral e retornou com Erazo para fazer dupla com Paulão. A estratégia de fechar o lado direito era correta, mas a saída do Werley da zaga e a reedição da pior dupla de zaga vascaína da temporada custaram caro. Erazo assim como toda a equipe foi muito mal.

Mas não foi somente isso que fez com que o Bahia engolisse o Vasco na altitude de Salvador. Com um time sem atitude em campo e velhos problemas como a dupla de zaga e a cobertura dos laterais O Vasco foi dando armas para a recuperação do Bahia e de seus jogadores. Além dos erros ja conhecidos, Desabato que ja foi por vezes o único ponto positivo vascaíno em algumas partidas, fez sua pior partida com a camisa cruzmaltina e foi um dos responsáveis diretos pela goleada.

Um Vasco sem pressão no marcador, sem transição defensiva eficiente, sem velocidade (nos quatro momentos do jogo: marcação, posse, transição defensiva e ofensiva). Sem aproximação e sem objetividade.

O Vasco conseguiu fazer uma partida inteira, sem pontos positivos destacáveis.

Para piorar o cenário ruim, Zé Ricardo fez escolhas injustificáveis durante a partida, como a substituição de Cosendey com 30 do primeiro tempo para entrada do Wagner (6 por meia dúzia num jogo onde era necessário uma mudança radical), a manutenção do Erazo e a omissão para consertar a marcação pelo lado esquerdo. O Vasco ao contrário do que muitos dizem, manteve o esquema (apesar de ocorrer algumas variações durante o jogo, algo normal).

Ze Ricardo é um bom treinador. O Vasco normalmente se mostra um time organizado e aguerrido, mas a cobrança pelo pavoroso setor defensivo e pela escolha e/ou manutenção de algumas peças ja está batendo à porta. E com razão. O trabalho poderia estar em evolução, mas alguns erros e teimosias fazem o time regredir e perder confiança. É necessário mudar. Mudar a mente, mudar as convicções e sem dúvida algumas peças. Existem jogadores que se escalam pelo bom desempenho, e jogadores que se colocam no banco pelo péssimo trabalho apresentado.

@analisevasco

Anúncios

Um comentário sobre “VELHOS PROBLEMAS NA FONTE NOVA – Análise tática de Bahia 3 x 0 Vasco pela Copa do Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s