O RETORNO DA FILOSOFIA BÁVARA!

Por Steph Sierra

Tradução de Jorge Melgarejo

Hala Madri, Aupa Atleti, Visca Barca, Forza Juve. Estas são as frases de efeito motivacionais comuns em todo o mundo do futebol e todas, mais ou menos, carregam o mesmo significado e se traduzem nas linhas de “Vai .” Em contraste, “Mia San Mia” do Bayern de Munique é um modo de vida, enfatiza a conservação das raízes do clube, sua autenticidade.

É bem conhecido e comum hoje em dia que os clubes de futebol são vistos como investimentos, muitos dos quais detidos por atores isolados, como o Paris Saint German, do Catar, em Paris. O dinheiro mais do que nunca domina o mundo do futebol, com a exceção de equipes como o Bayern de Munique. Um exemplo disso foi a relutância do Bayern em elevar os preços dos ingressos para a temporada. Como o próprio presidente do Bayern, Uli Hoeness, disse uma vez: “Nós não achamos que os fãs são como vacas, que você ordenha. O futebol tem que ser para todos. Essa é a maior diferença entre nós e a Inglaterra”.

Uma marca registrada do Bayern e que o separa do resto é a união entre os adeptos e o clube. Os fãs são incrivelmente integrados nas decisões do clube, a camaradagem é perceptível seja no treinamento aberto para visitas de fã-clube, ou na famosa Oktober Fest ou até partidas contra fãs. Mais importante ainda, o sentimento de pertencimento visível através da posse de fãs de 51% do clube. O clube é dirigido por ex-jogadores e financiado por patrocinadores e não por proprietários. Tudo fica na família. Há uma distinção importante, no entanto, que o ex-goleiro do Bayern Oliver Kahn destaca, “não há nada arrogante sobre Mia San Mia significa manter a sua modéstia quando o seu sucesso”.

Embora os valores bávaros sejam inabaláveis ​​e sua essência permaneça por vários anos o sentimento geral da identidade do clube foi enfraquecendo treinador após treinador. O ponto culminante da ausência de táticas bávaras atingiu seu ponto de ebulição depois de uma campanha de Ancelotti abaixo do esperado. Os jogadores veteranos perderam a confiança no tricampeonato da Champions League, que levou a contratação do respeitado técnico Jupp Heycknes. O efeito Jupp foi imediato. Foi como se um botão de reset tivesse sido atingido. O retorno de um treinador alemão reviveu uma sensação de familiaridade no vestiário. De acordo com BILD, Heycknes começou trazendo de volta a disciplina, que variou de: proibição de telefones celulares enquanto comiam ou nos vestiários para sancionar atrasos a treinamentos, aquecimentos prolongados, aumento de exercícios semanais de estabilização e tentativas de evitar clãs dentro do grupo. Um vínculo mais estreito entre os companheiros de equipe, independentemente da sua origem. Quase como um reconhecimento das equipes que passaram por complicações com lesões regulares, Jupp também trouxe o Dr. Muller-Wohlfahrt e sua equipe médica de volta ao Bayern.

Mais importante ainda, as mudanças táticas no campo também se traduziram em sucesso com a mudança de formação de Heycknes de 433 a 4141 e 4231. O treinador tirou o máximo proveito de seus jogadores, como no caso de Javi Martinez, que foi transferido de volta para sua posição mais natural como meio-campista defensivo. Arturo Vidal antes de sofrer uma lesão no joelho, foi melhor com uma taxa de trabalho excepcionalmente consistente no seu habitual papel de pivô duplo, um dos médios mais completos ainda no jogo, muda muitas vezes de 6 para 8. Nesta temporada, ele ajudou a conquistar pontos importantes para o Bayern com 6 gols na Bundesliga, já que ele, com frequência, empurra para frente a busca de espaços nas entrelinhas. Embora as contusões tenham atrapalhado a continuidade de Corentin Tolisso e Kingsley Coman, ambos os jogadores adicionaram um componente de ataque muito necessário ao transmitir a esperança da juventude para o futuro do Bayern. A verdade é que nesta temporada há algo a ser dito sobre quase todos os jogadores do Bayern. A contratação que surpreendeu agradavelmente a Bundesliga é o retorno do futebol europeu deste ano, James Rodriguez. James jogou como um meia armador impulsionando tanto a Colômbia quanto todos os seus antigos clubes. A nova abordagem de Jupp Heycknes para atingir todo o potencial de James foi uma epifania concedida pelos deuses do futebol. Heycknes tem até agora nos dado a melhor versão de James, desempenhando um papel muito mais profundo do que nunca e se transformando em um caixa para o meio-campista. Jupp tem sua visão de James, mas mais notavelmente refinou sua habilidade tática, aumentando significativamente o sucesso de atacar. O colombiano terminou sua primeira temporada como o melhor jogador da Bundesliga com os passes mais importantes por partida e como o pilar de criatividade do Bayern. Como o próprio Heycknes colocou, “Em termos de sua forma atual e de quão bem ele se estabeleceu, James tem sido uma dádiva de Deus para o Bayern.” No Bayern, no entanto, não há uma estrela que brilhe mais que outra. Não envolve individualidade, ou cortes de cabelo da moda. Com a chegada do treinador alemão, os jogadores como Muller, mais uma vez ganharam confiança e estão de volta ao seu objetivo marcando seus gols, com Lewandowski a média de um gol a cada 88 minutos e o retorno de Thiago injetou o equipe com uma magia comparável a apenas um punhado de jogadores.

Apesar da incerteza que vem com o Real Madrid, a atmosfera é mais positiva do que nunca em Munique. Heycknes acordou um gigante e o clima coletivo de sucesso que atravessa a Baviera é palpável. Parece haver um reconhecimento geral na Baviera de que as marés estão gradualmente a favor deles e mesmo se o Bayern chegar ou não à final da Liga dos Campeões, há uma sensação de que há uma construção de projeto. Fabricar cerveja no Allianz Arena é uma combinação de talento mundial, veteranos alemães e uma excitante nova geração de talentos alemães, como Joshua Kimmich, Niklas Sule e um recém-adquirido Leon Goretzka. Agora é seguro dizer que os fãs do Bayern não precisam sentir nostalgia após a saída de Phillip Lahm,  Kimmich se consolidou como um dos laterais direito do mundo com uma impressionante vantagem no ataque, são 12 assistências nesta temporada.

Existem vários pontos de interrogação que ainda estão por determinar. Enquanto o retorno de Neuer parece estar se aproximando de uma data de retorno ainda não foi definido. Há também a questão do recém-contratado técnico do Bayern, Niko Kovac, que deve assumir o comando em julho. Embora tenha havido dúvidas em torno de Kovac após a incapacidade de assinar com o favorito Thomas Tuchel, seu DNA do Bayern e gestão, experiência no futebol alemão parece aplacar um pouco do ceticismo. A incerteza que acompanha o desconhecido também é um pouco apaziguada nesta circunstância particular devido à habilitação e aprovação do técnico de saída confiável. Embora ambos tenham assinado novos contratos, a questão predominante que pode ser respondida durante o próximo mercado de transferências, no entanto, está na continuidade de Robben e Ribery como titulares regulares. Existem vários nomes que se pensa em rejuvenescer as duas alas, mas não há muita indicação concreta sobre o curso de ação do Bayern.

Chegando a quarta semifinal da Liga dos Campeões nas últimas cinco temporadas, há várias condições atípicas que podem favorecer o Bayern, ao contrário dos anos anteriores. Ao longo de sua carreira, o Bayern de Jupp Heynckes conseguiu 73 vitórias e 4 derrotas em 82 jogos. O alemão é o primeiro treinador a ficar invicto em 13 jogos seguidos da Liga dos Campeões. O registro do Bayern contra equipes espanholas é de 19 vitórias e 3 derrotas. Embora possa muito bem parecer que Vidal vai perder o restante do torneio, Tolisso deve subir em seu lugar, como consequência, enquanto o Bayern perde uma força de trabalho, também ganha velocidade e compostura. Outro aspecto que difere do ano passado é a adição de Wagner à lista, que oferece uma alternativa confiável no ataque. Robert Lewandowski, ao contrário do primeiro jogo contra o Real Madrid, também estará disponível.

O Bayern é o único clube europeu a aspirar ao tríplice coroa. Queira ou não o Bayern atingiu a glória da Liga dos Campeões nesta temporada, Jupp colocou o Bayern no caminho de volta, para os principais diretores de seu futebol é a reconstrução do Bayern de Munique e um dos mais promissores em sua história recente.

@btlvid

breakingthelines.com

@jorgmelgarejo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s