GOIÁS x CORITIBA – ANÁLISE TÁTICA PÓS JOGO

Por Andre Frehse Ribas

Em um duelo de alviverdes, Goiás e Coritiba se enfrentaram na quarta-feira (28), no Serra Dourada, pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil 2018. Esperando o Esmeraldino no seu campo, o Coxa não conseguiu colocar sua ideia em prática e acabou derrotado por 1 a 0.

Primeiro tempo

A partida começou com o Goiás propondo o jogo. O time da casa jogou com suas linhas altas (ou seja, marcando e pressionado o Coritiba em seu campo de defesa) e apostou nos seus pontas (Carlos Eduardo e Maranhão). Já o Coxa optou por jogar de forma reativa (quando se espera a ação do adversário e joga no erro dele, no contra-ataque), no 4–1–4–1, com suas linhas baixas, deixando o adversário tocar a bola em seu campo.

Na formação, João Paulo, que substituiu Vitor Carvalho, foi responsável por ficar na frente dos zagueiros, enquanto Júlio Rusch tinha mais liberdade para se movimentar.

coxa 1O time inteiro do Coritiba no campo de defesa. Alecsandro é o jogador mais adiantado.
coxa 2Goiás com oito jogadores no campo de ataque.

A ideia de jogo proposta pelo time paranaense não deu muito certo. Para fazer um jogo reativo, é necessário que você não erre e aproveite os vacilos do seu adversário, algo que o Coritiba não fez. Quando recuperava a bola, o time paranaense colocava pouca intensidade e errava muitos passes, sem conseguir sair em velocidade pelos lados.

Quando o Coxa trocava passes, isso acontecia de forma lenta, e o Goiás conseguia pressionar e criar superioridade numérica na zona da bola com facilidade.

Na hora em que colocava velocidade e acertava os passes, o alviverde chegava ao ataque com dois jogadores contra quatro/cinco atletas do Goiás, e logo perdia a bola. Poucos acompanhavam a jogada.

coxa 3Alecsandro arma o contra-ataque, mas apenas Guilherme Parede o acompanha. Resultado? Cinco defensores contra eles.
coxa 4Neste lance, Iago tenta armar o contra ataque, mas logo chegam três jogadores do Goiás na zona da bola. Atacante precisa tocar para trás e começar o jogo.

Setor defensivo

Para um time que teve como proposta esperar o Goiás no seu campo de defesa, o Coritiba deu muitos espaços para os donos da casa. Suas linhas não estavam compactas, facilitando as ações do adversário, dificultando a roubada de bola e os contra-ataques do alviverde paranaense.

Foi pelo lado direito que o time goiano criou suas principais chances com cruzamentos na área e sempre apostando na velocidade de Carlos Eduardo e Maranhão, que inverteram de lado em alguns momentos do jogo. Devido à qualidade dos pontas, Iago e Guilherme Parede formavam a última linha do alviverde com seis jogadores.

coxa 5Seis jogadres do Coritiba na última linha.
coxa 6Muitos espaços entre as linhas do Coritiba, facilitando o jogo do Goiás.

SEGUNDO TEMPO

O Coritiba não mudou sua postura e voltou da mesma forma para o segundo tempo, recuado e dando espaços para o time da casa. E, aos 8′, o Goiás teve liberdade para tocar e rodar a bola até achar Jefferson dentro da grande área. O lateral ganhou do zagueiro e finalizou forte, sem chances para o goleiro Wilson. Um time que tem como proposta um futebol reativo não pode deixar tantos espaços no seu setor de defesa, e o alviverde paranaense pagou caro por isso.

coxa 7Jefferson recebe a bola entre as linhas do Coritiba, ganha do zagueiro e marca.

Após o gol, o Coritiba adiantou as suas linhas, mas continuou na mesma proposta de jogo, à espera de um erro por parte do Goiás. Aos 17′, o Alviverde conseguiu colocar em prática o seu primeiro contra-ataque com velocidade, passes certos, infiltração e intensidade, a jogada que buscava desde o início do jogo. Romércio recuperou a bola no campo de defesa, e Léo Andrade tocou para Simião, o volante tocou para Thiago Lopes, que achou Iago no lado direito do campo. O atacante ganhou na velocidade do zagueiro e cruzou rasteiro na área, Alecsandro fez o corta luz, e a bola foi limpa para Guilherme Parede, que bateu de primeira e perdeu um gol incrível.

coxa 8Sozinho, Guilherme parede perdeu um gol incrível.

Com o passar do tempo, o esmeraldino cansou e perdeu um pouco do ritmo intenso, dando mais espaços para o Coritiba, que não aproveitou e pouco criou para tentar o empate, terminando 1 a 0 para o time da casa.

O que ficou claro é que o Coxa não conseguiu executar sua proposta de um jogo reativo, deu espaços e foi dominado pelo Goiás. E, quando conseguiu armar um contra-ataque, Guilherme Parede não aproveitou e desperdiçou uma grande chance. É necessário que Sandro repense sua forma de jogar com as peças que têm no elenco e que pense em outra estratégia para o segundo jogo.

@Andre_Frehse

Anúncios

Um comentário sobre “GOIÁS x CORITIBA – ANÁLISE TÁTICA PÓS JOGO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s